1. efaria
  2. ?? Tire suas Duvidas??
  3. Domingo, Agosto 06 2006, 10:07 AM
  4.  Assinar via e-mail
Olá... meu nome é Emerson e tenho anacusia no ouvido direito por lesão no nervo auditivo.

Procurando saber se sou uma PPD ou não, visando obter o benefício de concorrer às vagas reservadas a PPDs em concursos públicos, achei este site, e em perguntas semelhantes a esta, sempre verifiquei a seguinte resposta:

[quote:671db6b487]
A mais recente Lei Federal que trata dos deficientes auditivos e outros é a Lei 5296 de 02.12.2004 que no seu Artigo 5, parágrafo 1, letra b, define claramente quais são as condições e níveis de surdez para ser considerada uma PPD.

Como seu caso é Unilateral, a partir desta Lei você já não é mais considerada uma PPD para todos os efeitos, inclusive concursos públicos.

Paulo Sócio[/quote:671db6b487]

Em relação aos deficientes auditivos, o Decreto 5296 de 02.DEZ.2004 diz o seguinte:

[quote:671db6b487]b) deficiência auditiva: perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um decibéis (dB) ou mais, aferida por audiograma nas freqüências de 500Hz, 1.000Hz, 2.000Hz e 3.000Hz;[/quote:671db6b487]

Percebemos que a lei se refere a perda [u:671db6b487]bilateral, parcial OU total[/u:671db6b487], o que nos permite presumir que para ser considerada uma PPD, a pessoa não precisa ter, necessariamente, a perda em AMBOS os ouvidos, visto que as condições estabelecidas pela lei são que a pessoa tenha perda OU BILATERAL, OU PARCIAL, OU TOTAL, e nesse caso, quem tem perda em apenas um ouvido pode ser enquadrado como pessoa com PERDA PARCIAL, atendendo aos critérios exigidos pela lei.

Buscando mais informações, achei as seguintes afirmações nos seguintes sites:

[u:671db6b487]Ministério Público do Trabalho[/u:671db6b487]:

Link: http://www.prt14.mpt.gov.br/1/Artigos/90.%20CARTILHA-DEFICIENTES%5D.htm

[quote:671db6b487]1) A pessoa que possui apenas uma vista, sendo que está vista é normal, é considerado deficiente físico ? Não, pelos termos da legislação, decreto 3298/99, a perda ou redução da visão tem que ocorrer nas duas vistas

2) E a pessoa com problema auditivo em apenas um dos ouvidos, é ? A legislação, no que se refere a deficiência auditiva, somente considera se a perda se enquadrar naqueles níveis mencionados na legislação, independentemente se a perda for apenas em um dos ouvidos.[/quote:671db6b487]

[u:671db6b487]Procuradoria Geral da República[/u:671db6b487]:

Link: http://www.pgr.mpf.gov.br/pgr/saude/perguntas/p43.htm

[quote:671db6b487]Tenho uma deficiência auditiva no ouvido direito ( escuto com 80 decibéis). Gostaria de saber se nesse caso sou considerado deficiente auditivo de acordo com a legislação em vigor e se no caso de concurso público posso concorrer a vaga de portador de deficiência? Detalhe: a minha deficiência é somente no ouvido direito, no esquerdo escuto normalmente. Grato .T.J.

Dr. Eduardo Henrique - Otorrinolaringologista e integrante da Junta Médica da SSI-SAÚDE - responde:

Com relação à sua pergunta sobre deficiência auditiva e participação em concursos públicos como portador de deficiência auditiva, entendo ser plenamente cabível, mesmo sendo a deficiência num ouvido só, pois o Decreto 3298/99 que regulamenta a matéria não especifica a necessidade de deficiência bilateral para ser considerado como tal.[/quote:671db6b487]

Diante de tal situação, a dúvida continua no ar, mas com um viés maior para considerar uma pessoa portadora de deficiência auditiva em apenas um ouvido como uma PPD, pelo menos no meu entender.

Assim, gostaria que os usuários deste forum exibissem seus comentários e opiniões sobre os fatos acima.

Se alguém já passou em concurso público portando deficiência em apenas um ouvido, ou foi impedido de tomar posse pela mesma razão, ou ainda conhece alguém que tenha ocorrido um desses dois casos, por favor, se manifeste, pois sua opinião trará nova luz à questão.

Grato pela colaboração de todos.
Comentar
Boa noite . Gostaria de saber se enquadro na cota com Cid 90.7.
  1. Convidado
  2. cerca de 4 meses atrs
No h comentrios feitos ainda.
Adicionar comentrio
pcsocio Aceitar RespostaPending Moderation
Amin
0
Votos
Desfazer
:) Olá André,

Realmente não entendi sua dúvida, você quer GANHAR dinheiro por ter audição unilateral, ou seja, só de um ouvido????

Paulo Sócio
Comentar
No h comentrios feitos ainda.
Adicionar comentrio
  1. mais de um ms atrs
  2. ?? Tire suas Duvidas??
  3. N 1
sorrisoluiz Aceitar RespostaPending Moderation
0
Votos
Desfazer
por favor alguém pode me ajudar?

meu nome é andré luiz tenho 15 anos e quando tinha por volta de 07-08 anos tive cachumba e perdi 100% da audição do ouvido direito. agora, eu queria saber se eu posso ganhar dinheiro e quanto o valor e se precisa da assinatura da mãe.

atenciosamente,agradecido.

André, Luiz.
Comentar
No h comentrios feitos ainda.
Adicionar comentrio
  1. mais de um ms atrs
  2. ?? Tire suas Duvidas??
  3. N 2
aposentado Aceitar RespostaPending Moderation
0
Votos
Desfazer
Comentar
No h comentrios feitos ainda.
Adicionar comentrio
  1. mais de um ms atrs
  2. ?? Tire suas Duvidas??
  3. N 3
donedmc Aceitar RespostaPending Moderation
0
Votos
Desfazer
boa tarde,
meu nome é arnaldo sou tmbm deficiente auditivo unilateral severa,sou seja nao escuto bulunfas em um ouvido.
bom ja tentei tmbm em encaixar varias vezes na lei de cotas,mais dizem que nao em emquandro,mesmo tendo laudo medico e exames que comprovam isso mas....
tem uma lei que esta fazendo uma grande repercução no meu site,recebi muitos email muitos sobre essa lei:
Lei. 4.317/2009
que cita os deficientes auditivos UNILATERAIS,como portadores de deficientes,mas essa lei tem um ponto de interrogação,bom um economista de brasilia me mandou essa lei,mas eu estou tentanto buscar explicações,se essa lei so esta empregada no DF,ou ela é valida no territorio nascional,
me ajudem!!
nao sei se posso recorrer a essa lei por que nao sei se ela é valida no estado de SP tmbm
Comentar
No h comentrios feitos ainda.
Adicionar comentrio
  1. mais de um ms atrs
  2. ?? Tire suas Duvidas??
  3. N 4
ANDREZAH Aceitar RespostaPending Moderation
0
Votos
Desfazer
Prezado,

Boa tarde!

Sou estudante de direito e nesta tarde deparei-me com a situação em comento, em busca de decisões dos tribunais acerca do assunto em tela, encontrei uma decisão que acredito ser de grande aproveito.

Tribunal de Justiça de Santa Catarina
Mandado de Segurança n. 2007.062597-5, de Capital
Relator: Des. Pedro Manoel Abreu
Mandado de Segurança. Concurso Público. Candidato portador de perda auditiva neurossensorial unilateral. Perícia médica. Exclusão deste, do certame, ao argumento de que só são considerados portadores de necessidades especiais os que apresentem perda auditiva neurossensorial bilateral. Ilegalidade. Precedentes do STJ (RMS n. 20865/ES). Segurança concedida.
Vistos, relatados e discutidos estes autos de Mandado de Segurança n. 2007.062597-5, da comarca de Capital (Tribunal de Justiça), em que é impetrante Emilson da Silva Medeiros e impetrado Secretário de Estado da Segurança Pública e Defesa do Cidadão e outro:
ACORDAM, em Grupo de Câmaras de Direito Público, à unanimidade, conceder definitivamente a segurança.
RELATÓRIO
Cuida-se de Mandado de Segurança impetrado por Emilson da Silva Medeiros contra ato do Secretário de Estado da Segurança Pública e Defesa do Cidadão e do Delegado Chefe da Polícia Civil do Estado de Santa Catarina, responsáveis pelo Edital n. 005/2005, relativo ao Concurso Público da Secretaria de Segurança Pública e Defesa do Cidadão.
Disse o impetrante ter efetivado inscrição no referido Concurso Público, regido pelo Edital n. 005/2005, para o cargo de investigador policial, na condição de portador de necessidade especial, pois acometido de perda auditiva neurossensorial unilateral, classificados no CID sob o n. 10 H-90.7.
Argumentou que, convocado a submeter-se à prova objetiva, obteve a 17.ª classificação entre as vagas oferecidas aos candidatos portadores de necessidades especiais.
Afirmou, nessa linha, que em 12.02.2006 foi submetido à segunda etapa do certame – prova de capacidade física, de caráter eliminatório - classificando-se na 10.ª posição consoante o relatório da Portaria n. 133/GAB/CPC/SSP/2006.
Ressaltou que, nos dias 23 e 24 de fevereiro de 2006, após a realização daquela etapa, foi convocado para a efetivação de matrícula no Curso de Formação da Academia de Polícia do Estado de Santa Catarina – ACADEPOL. Matriculado na condição de portador de necessidade especial, iniciou o Curso em 1.3.2006, juntamente com os demais candidatos convocados.
Entretanto, verberou, após estar cursando a ACADEPOL por um período de três meses, foi submetido à perícia médica para avaliação de sua condição de candidato portador de necessidade especial. Gizou que essa conduta contrariou o disposto no item 2.3.3.9 do Edital, que prevê a realização de perícia médica quando da convocação para o curso de formação profissional.
A nova perícia realizada concluiu, disse novamente, que a necessidade especial de perda auditiva neurossensorial unilateral, CID-10 H90.7, não se enquadra dentro dos parâmetros legais. Porém, afirmou que tal resultado foi obtido por um simples questionário fornecido ao candidato sem que, contudo, tivesse sido realizado com ele qualquer exame clínico. Registrou que de um dos ouvidos possui audição de 100% (cem por cento).
Sublinhou que, não obstante a ilegalidade praticada, em data de 1.10.2007, foi convocado novamente pela Secretaria de Segurança Pública para avaliação pericial, realizada pelo CONEDE – Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência, o qual teria informado que a sua deficiência não configura necessidade especial.
Por fim, disse que o laudo elaborado pelo CONEDE apontou como apto, na condição de deficiente, outro candidato de nome Valmor Fachini Cegala Júnior, a quem foi atribuído o mesmo diagnóstico do impetrante: perda auditiva neurosensorial unilateral – CID 10 H 90.7.
Insurgiu-se assim contra laudo técnico elaborado pelo citado Conselho, emitido em 2.10.2007, em que, após avaliação superficial, concluiu que aquele não se enquadrava dentro dos parâmetros previstos na Lei Estadual n. 12.870, de 12.1.2004, por ser portador de perda auditiva neurossensorial unilateral – CID-10 H-90.7.
Informa que o seu pedido visa à efetiva e legal aplicação dos critérios estabelecidos pelo Edital n. 005/2005, concernente ao Concurso Público da Secretaria de Segurança Pública do Estado de Santa Catarina, bem como ao cumprimento do art. 37, VIII da Constituição Federal e das Leis Estaduais n. 9.899/95, n. 12.870/04 e Decreto n. 3.298/99.
Ao final, requereu a concessão de liminar para reconhecê-lo como portador de necessidades especiais, medida esta que foi deferida em decisão da lavra da eminente Desembargadora Sônia Maria Schmitz (fl. 93), após a manifestação das autoridades ditas coatoras. Pugnou, por derradeiro, pela sua imediata nomeação e posse no cargo de Investigador Policial referente ao Edital n. 005/2005 ou, sucessivamente, submetido a outra perícia médica com exames clínicos.
Nas informações, suscitaram as autoridades impetradas preliminar de ilegitimidade passiva ad causam, porquanto o impetrante requereu a sua imediata nomeação e posse, ato que somente poderia ser realizado pelo Chefe do Poder Executivo Estadual, inexistindo qualquer delegação nesse sentido aos impetrados. No mérito, reafirmaram que a perda auditiva neurossensorial unilateral não se enquadra entre os que devem ser beneficiados com as vagas destinadas aos portadores de deficiência. Ressaltaram que o Candidato Valmor Fachini Cegala Júnior possui perda auditiva neurossensorial bilateral, moléstia diversa da que acomete o impetrante. Gizaram ter havido erro de digitação, comprovado pelos documentos de fls. 87-88. Por isso, entenderam inexistir direito líquido e certo a defender. Requereram, ao final, a extinção do feito sem resolução de mérito nos termos do art. 267, VI, do CPC, ou, alternativamente, a denegação da segurança.
A douta Procuradoria Geral de Justiça, instada, manifestou-se pela concessão definitiva do pedido.
VOTO
As autoridades impetradas argüiram preliminar de ilegitimidade passiva ad causam, uma vez que o impetrante pleiteia sua nomeação e posse, ato este de competência do Chefe do Executivo Estadual, ausente, no caso concreto, qualquer delegação nesse sentido.
Não lhes assiste razão.
Como bem ressaltou a Procuradoria Geral de Justiça, o ato ilegal combatido no writ é o acatamento, pelo Secretário de Segurança Pública e Cidadania e pelo Delegado Geral da Polícia Civil, da avaliação médico-pericial subscrita pelos membros do CONEDE, cuja conclusão foi no sentido de não enquadrar o impetrante como candidato portador de necessidades especiais. In casu, estas são, efetivamente, as autoridades públicas responsáveis pelo ato administrativo e pela sua revisão. A posse e a nomeação são apenas os possíveis efeitos, corolários do pedido liminar, caso confirmados ao final.
Processo civil. Administrativo. Mandado de segurança. Ilegitimidade passiva. Inocorrência. Concurso público. Edital nº 001/93. Agente da Polícia Federal. Decadência. Art. 18 da Lei nº 1.533/51. Extinção.
1. No mandado de segurança, a legitimidade da autoridade é definida na pessoa que pratica ou ordena concreta e especificamente a execução ou inexecução do ato impugnado. Tratando-se, no caso concreto, de portaria ministerial, a autoridade apontada como coatora é parte legítima.
2. Não há que se falar em ato omissivo contínuo quando aberto novo concurso, porque caracterizado ato concreto da Administração na recusa dos candidatos remanescentes do certame anterior, iniciando-se dessa data a contagem do prazo decadencial.
3. Aplicação do art. 18 da Lei nº 1.533/51.
4. Extinção da ação mandamental (STJ, MS 8461/DF, rel. Min. Paulo Gallotti, j. 11.12.2002).
Por essa razão, afasta-se a preliminar suscitada. No mérito, razão assiste ao impetrante.
Combate ele ato dos impetrados que, após terem admitido a sua classificação para o Curso de Formação Profissional da ACADEPOL, realizaram perícia médica que constatou não se enquadrar entre os candidatos portadores de necessidades especiais, uma vez que a perda auditiva só lhe atinge um dos ouvidos.
Não há nos autos, combate ao quadro clínico do impetrante. A celeuma, neste aspecto, é exclusivamente de direito, isto é, demanda apenas verificar se se enquadra ou não ele entre os candidatos considerados agraciados pela reserva de vaga.
O tema é regrado na Lei Estadual n. 12.870/04, que em seu art. 4.º, inciso II, conceitua e identifica os indivíduos portadores de necessidades especiais. Consta no texto legal:
Art. 4.º - É considerada pessoa portadora de necessidades especiais a que se enquadra nas seguintes categorias:
(...) omissis.
II – deficiência auditiva – perda parcial ou total das possibilidades auditivas sonoras, variando de graus e níveis na forma seguinte:
a) de 25 a 40 decibéis – db – surdez leve;
b) de 41 a 55 – db – surdez moderada;
c) de 56 a 70 – db – surdez acentuada;
d) de 71 a 90 – db – surdez severa;
e) acima de 91 – db – surdez profunda; e
f) anacusia;
Não consta no dispositivo legal em tela a alegada restrição feita pela autoridade pública. Vale dizer, a Lei de regência não excepciona a surdez unilateral do rol de necessidades especiais. Aliás, ao contrário, a norma menciona "perda parcial ou total das possibilidades auditivas sonoras", o que faz enquadrar o impetrante dentro do permissivo da Lei.
Tampouco existe vedação no Edital. Veja-se, a este respeito, o item 2.3.3.7:
O candidato portador de necessidades especiais, resguardadas as condições previstas na Lei Estadual n. 12.870/04, participará do Concurso em igualdade de condições com os demais candidatos, no que concerne ao conteúdo da prova, à avaliação e aos critérios de aprovação, ao horário e local de aplicação da prova e à nota mínima exigida para todos os demais candidatos.
Ora, se a Lei n. 12.870/04 e o Edital não contém amparo legal para a exclusão do impetrante, o ato administrativo que nesse sentido foi exteriorizado configura ilegalidade lesiva de direito líquido e certo, atacável pela via do mandamus. Em caso semelhante, decidiu o STJ:
Recurso Ordinário em Mandado de Segurança. Candidato portador de deficiência auditiva. Reserva de vaga negada pela Administração devido à comprovação de deficiência auditiva unilateral. Matéria de Direito. Possibilidade de impetração do writ. Aplica~ção errônea da Resolução n. 17/2003 do CONADE. Lei n. 7.853/89. Decretos ns. 3.298/99 e 5.296/2004. Direito líquido e certo. Recurso Provido.
1. A matéria de que trata os autos, qual seja, saber se a surdez unilateral vem a caracterizar deficiência física ou não, é matéria de direito, que não exige dilação probatória, podendo, por conseguinte, ser objeto de mandado de segurança.
2. A reserva de vagas aos portadores de necessidades especiais, em concursos públicos, é prescrita pelo art. 37, VIII, CR/88, regulamentado pela Lei nº 7.853/89 e, esta, pelos Decretos nºs
3.298/99 e 5.296/2004.
3. Os exames periciais realizados pela Administração demonstraram que o Recorrente possui, no ouvido esquerdo, deficiência auditiva superior à média fixada pelo art. 4º, I, do Decreto nº 3.298/99, com a redação dada pelo Decreto nº 5.296/2004. Desnecessidade de a deficiência auditiva ser bilateral, podendo ser, segundo as disposições normativas, apenas, parcial.
4. Inaplicabilidade da Resolução nº 17/2003 do CONADE, por ser norma de natureza infra-legal e de hierarquia inferior à Lei nº 7.853/89, bem como aos Decretos nºs 3.298/99 e 5.296/2004.
5. Recurso ordinário provido (STJ, RMS n. 20865/ES, rel. Min. Paulo Medina, j. 3.8.2006).
DECISÃO
Ante o exposto, por unanimidade, concede-se a segurança.
O julgamento, realizado no dia 10 de dezembro de 2008, foi presidido pelo signatário, com voto, e dele participaram os Desembargadores Cláudio Barreto Dutra, Newton Trisotto, Luiz Cézar Medeiros, Vanderlei Romer, José Volpato de Souza, Rui Fortes, Cesar Abreu, Cid Goulart, Jaime Ramos, Newton Janke, Paulo Henrique Moritz da Silva e Ricardo Roesler.
Florianópolis, 16 de dezembro de 2008.
Pedro Manoel Abreu
RELATOR
Comentar
No h comentrios feitos ainda.
Adicionar comentrio
  1. mais de um ms atrs
  2. ?? Tire suas Duvidas??
  3. N 5
PcMarcelo Aceitar RespostaPending Moderation
0
Votos
Desfazer
Conheco um professor de ginastica que entrou com mandado de seguranca e entrou no TCU como deficiente sendo que ele possui deficiencia unilateral acima de 40 db. Na verdade se entrarmos com mandado de seguranca com certeza conseguiremos entrar, apesar de alguns erroneamnete insistirem que nao. Se nao somos deficientes pq nao podemos entrar na policia federal, militar ou civil, ou mesmo nas forcas armadas que colocam no edital que nao se pode ter perda, em um ou dois ouvidos, acima de 35db?????
Comentar
No h comentrios feitos ainda.
Adicionar comentrio
  1. mais de um ms atrs
  2. ?? Tire suas Duvidas??
  3. N 6
efaria Aceitar RespostaPending Moderation
0
Votos
Desfazer
Paulo,

me desculpe, mas não interpretei errado o uso da vírgula, pois neste caso, ela sugere a continuidade das restrições.

Para que a lei fosse interpretada como você interpretou, deveria estar escrito da seguinte maneira:

... perda bilateral (parcial ou total)...

Continuo interpretando a lei com o viés que eu propus.

Aguardo novos comentários que possam trazer nova luz à discussão.
Comentar
No h comentrios feitos ainda.
Adicionar comentrio
  1. mais de um ms atrs
  2. ?? Tire suas Duvidas??
  3. N 7
pcsocio Aceitar RespostaPending Moderation
Amin
0
Votos
Desfazer
[color=blue:fa3c7c7c01][b:fa3c7c7c01] :lol: Caro Emerson,

Como já informei anteriormente, perda de audição, parcial ou total de um só ouvido, não lhe inclui como PPD. Cuidado com a leitura e interpretação do Decreto 5296/2004. Leia respeitando a vírgula, ou seja, primeira condição: tem de ser bilateral. Segundo: pode ser parcial ou total.

Paulo Sócio[/b:fa3c7c7c01][/color:fa3c7c7c01]
Comentar
No h comentrios feitos ainda.
Adicionar comentrio
  1. mais de um ms atrs
  2. ?? Tire suas Duvidas??
  3. N 8
  • Pgina :
  • 1


No h resposta para esta discusso ainda
Convidado
Enviar sua resposta
Voc pode inserir enquetes na sua postagem. A enquete ir ento aparecer na postagem.
Opes de voto
Nesta seo, voc pode fornecer detalhes do seu site aqui e visvel somente para os moderadores
Compartilhar Localizao

Compartilhar sua localizao atual ao postar uma nova pergunta permite que os espectadores identifiquem o local onde voc est localizado

Latitude:
Longitude:
Captcha
Para proteger o site de bots e scripts no autorizados, exigimos que voc insira os cdigos captcha abaixo antes de postar sua pergunta