Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Uma novidade tecnológica começou a ser testada no transporte urbano. O objetivo é beneficiar pessoas com deficiência visual.

Uma novidade tecnológica começou a ser testada no transporte urbano de Belo Horizonte. O objetivo é beneficiar pessoas com deficiência visual.

Andar sem ver o caminho é uma tarefa difícil. No ponto de ônibus, muitos deficientes visuais ainda precisam contar com a boa vontade de outros passageiros para pegar a linha correta.

Em Belo Horizonte está em teste um transmissor com uma frequência de rádio e um alto falante instalados dentro dos veículos. Com o deficiente visual fica um aparelho, que é programado de acordo com a linha desejada.

Flávia aciona o controle, e quando o ônibus chega a menos de cem metros, um apito é emitido para que o motorista saiba que, no ponto, haverá um deficiente visual. Ao chegar lá, o alto-falante entra em ação.

Pelo som, fica mais fácil saber onde o coletivo está parado, e quando ele entra é o próprio passageiro quem desliga o aviso.

“Eu parava a porta dianteira em frente a eles e chamava. Agora acabou o sofrimento”, diz o motorista Edson Duarte dos Santos.

Em Araucária, no Paraná, o sistema já passou pelo teste e agora foi implantado em todas as linhas. Na capital mineira, por enquanto, só uma que passa por uma instituição para deficientes visuais tem os aparelhos. Se for aprovado, o sistema deve ser instalado em toda a frota da cidade.

“Está nos trazendo tanta independência que até a noite a gente pode dar uma voltinha, não vai ter perigo de perder o ônibus de madrugada, ir para as festas sem problema de perder o ônibus”, comemora a professora Flávia Manicardi.

Fonte: G1